quinta-feira, 26 de março de 2015

Desmistificando o Óleo do Motor


Nesses últimos anos, eu sempre colocava o óleo MOTUL 3000, 20W50, na minha moto e nunca parei para entender as especificações desse produto.

No manual da minha R1200GS, tinha um gráfico muito interessante e útil. Ele faz a gente pensar sobre o melhor óleo para a nossa moto em função da utilização dela. Vejam só!



A gente se importa muito com marca de óleo e não se liga para as suas especificações aplicadas às necessidades de se rodar pelo Brasil a fora. Olhando essa tabela, o óleo 15W50 é mais que suficiente, visto que aqui ninguém anda abaixo de -15ºC e dificilmente teremos 50ºC de temperatura, muito embora o Rio de Janeiro esteja, neste verão, bem próximo desse valor!

Os óleos lubrificantes são substâncias utilizadas para reduzir o atrito de funcionamento do motor, lubrificando, limpando e aumentando a sua vida útil. Para tanto, é extremamente importante entendermos alguns termos que nos deparamos quando precisamos decidir qual óleo deveremos utilizar nas nossas máquinas.

Os óleos lubrificantes podem ser de origem animal ou vegetal (óleos graxos), derivados de petróleo (óleos minerais) ou produzidos em laboratório (óleos sintéticos), podendo ainda ser constituído pela mistura de dois ou mais tipos (óleos compostos).

As principais características dos óleos lubrificantes são a viscosidade e a densidade.

A viscosidade mede a dificuldade com que o óleo escorre (escoa); quanto mais viscoso for um lubrificante (mais grosso), mais difícil de escorrer, portanto será maior a sua capacidade de manter-se entre duas peças móveis fazendo a lubrificação das mesmas.

Densidade indica o peso de uma certa quantidade de óleo a uma certa temperatura, é importante para indicar se houve contaminação ou deterioração de um lubrificante.

Para conferir-lhes certas propriedades especiais ou melhorar alguma já existentes, porém em grau insuficiente, especialmente quando o lubrificante é submetido às condições severas de trabalho, são adicionados produtos químicos chamados de aditivos.

Os principais tipos de aditivos são: antioxidantes, anticorrosivos, anti-ferrugem, antiespumantes, detergente dispersante, melhoradores do Índice de Viscosidade, agentes de extrema pressão, etc.

Classificações dos Óleos para Motores

Para facilitar a escolha do lubrificante correto para veículos automotivos várias são as classificações, sendo as principais a SAE e API.

Classificação SAE:

Estabelecida pela Sociedade dos Engenheiros Automotivos dos Estados Unidos, classifica os óleos lubrificantes pela sua viscosidade, que é indicada por um número. Quanto maior este número, mais viscoso é o lubrificante e são divididos em três categorias:

Óleos de Verão: SAE 20, 30, 40, 50, 60 
Óleos de Inverno: SAE 0W, 5W, 10W, 15W, 20W, 25W 
Óleos multi-viscosos (inverno e verão): SAE 15W40, 20W50, 15W50, 5W40, etc.
Obs: a letra “W” vem do inglês “winter” que significa inverno.

Graus menores suportam baixas temperaturas sem se solidificar ou prejudicar a "bombeabilidade" do motor. Um óleo do tipo mono grau (SAE 90) só pode ser classificado em um tipo escala. Já um óleo multi grau (SAE 15W50) se comporta a baixa temperatura como um óleo 15W, reduzindo o desgaste na partida do motor ainda frio, e, em alta temperatura, se comporta como um óleo SAE 50, tendo uma ampla faixa de utilização (de -15ºC até 50ºC).

Classificação API:

Desenvolvida pelo Instituto Americano do Petróleo, também dos Estados Unidos, baseia-se em níveis de desempenho dos óleos lubrificantes, isto é, no tipo de serviço a que a máquina estará sujeita. São classificados por duas letras, a primeira indica basicamente tipo de combustível do motor e a segunda o tipo de serviço.

Para motores de veículos leves (Ciclo Otto) o “S” de Service Station (Postos de Serviço, Garagem) ou Spark (Faísca / Centelha), e a outra letra define o desempenho.

O óleo SJ é superior ao SH, isto é, o SJ passa em todos os testes que o óleo SH passa, e em outros que o SH não passa. O Óleo SH, por sua vez, é superior ao SG, assim sucessivamente.

O Instituto Americano do Petróleo (API) estabelece estes parâmetros de desempenho, através de uma sequência de testes complexos e específicos, de acordo com metodologias padronizadas pela ASTM (American Society for Testing and Materials).

Veja a abrangência da proteção do seu motor para cada tipo de classificação API no gráfico abaixo. Quanto maior a segunda letra, maior será o desempenho do óleo do seu motor.


Observe agora a evolução do desempenho dos óleos lubrificantes ao longo dos anos:



A troca de óleo:

As recomendações dos fabricantes em relação aos intervalos para mudar o óleo baseiam-se em condições extremas de condução. Estas condições nem sempre correspondem às viagens longas em autoestrada. Quanto mais curtas forem as viagens, menor deve ser o tempo entre cada troca de óleo. Viagens curtas (inferiores a 15 Km), conduzir em estradas com muita areia ou poeira, ar frio que impeça o motor de aquecer totalmente até alcançar uma temperatura normal de funcionamento, ou se o motor trabalhar em condições severas (altos giros de funcionamento por períodos prolongados), são fatores que provocam a degradação do óleo. 

Estatísticas mostram que a maioria dos motociclistas que utilizam seus veículos, nas cidades, enquadram-se em uma dessas condições acima, requerendo trocas de óleo do motor com intervalos menores.

Sintético ou Mineral

A principal diferença entre os dois está na manutenção da estabilidade da viscosidade do produto. O sintético mantém a estabilidade por mais tempo do que o mineral, mas há outros fatores relacionados que costumam influir nessa teoria, como a qualidade da gasolina, por exemplo.

Por não ser puro (pois a gasolina leva na mistura álcool), o combustível provoca o aparecimento de substâncias que fazem com que a estabilidade obtida pelo óleo sintético não seja tão efetiva, diminuindo a capacidade de lubrificação, o que é grave principalmente em motores de alto desempenho.

O óleo semi-sintético foi criado para ser um meio termo entre o mineral e o sintético. Nesses casos, basta seguir as orientações das empresas fabricantes de motocicletas constantes nos manuais que vem junto com a moto.

Dica importante:

1 - Nunca misture óleo sintético com mineral, pois algumas marcas de óleo sintético não se misturam ao mineral. Também não se deve misturar óleos sintéticos com semi-sintéticos, pois poderá haver incompatibilidade entre aditivos, ocasionando até mesmo a neutralização de alguma função. No caso de óleos minerais com o mesmo nível de desempenho e mesmo grau de viscosidade, não há problema em misturá-los;

2 - Quando se utiliza um lubrificante com nível de desempenho inferior ao recomendado pelo fabricante do veículo, mesmo reduzindo o período de troca, pode haver problemas de formação de borra devido ao envelhecimento (oxidação) precoce do lubrificante, ou comprometimento da função de lubrificação do motor pelo óleo;

3 - Os óleos lubrificantes de qualidade já possuem, de forma balanceada, todos os aditivos para que seja cumprido o nível de desempenho ao qual foi desenvolvido. Não há testes padronizados que avaliem o desempenho de mistura de óleos com aditivos extras. Pode haver incompatibilidade entre o óleo lubrificante e a aditivação suplementar e a borra é uma consequência deste problema;

4 - Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, o nível correto de óleo no motor se encontra entre os dois traços e não só no traço superior. Se o óleo fica abaixo do mínimo da vareta, o motor pode ser prejudicado por falta de lubrificação. Se o óleo fica acima do máximo da vareta, haverá aumento de pressão no cárter, podendo ocorrer vazamento e até ruptura de bielas; e

5 - É importante que se espere pelo menos 5 minutos após o motor ter sido desligado para se medir o nível do óleo. Isto porque, neste tempo, o óleo vem descendo das partes mais altas do motor para o cárter e assim podemos ter a medida real do volume de óleo.

Filtros de Óleo:

O filtro de óleo tem fundamental importância para manter o óleo limpo e impedir que resíduos da contaminação (sujeira do ambiente, partículas de desgaste de componentes, etc.) passem para o motor e venham a causar danos. Ao comprar um filtro de óleo é importante seguir as instruções dos fabricantes da motocicleta, observando inclusive o período de substituição deste. As impurezas existentes no óleo e não retidas no filtro, passam a circular no óleo e provocam rapidamente o aumento do desgaste de várias peças do motor.

Agora que você sabe tudo sobre óleos lubrificantes, o motor da sua moto vai respirar saúde e falar alto sem aparecer aquele barulhinho fora do normal. Lembre-se que de uma boa lubrificação depende o desempenho, a durabilidade e o bom retorno na venda de sua moto!

5 comentários:

  1. Muito bom seu blog gostei muito, otimo post!

    ResponderExcluir
  2. Grato pelo comentário! O meu objetivo é justamente dar algumas informações para os moto turistas e falar de algumas viagens que realizei.

    ResponderExcluir
  3. bom dia, tire uma duvida:
    eu tenho dois óleos de viscosidade diferentes, e são usados para a mesma coisa "suspensão", um é o 20w e o outro 5w, nesse caso eu preciso do 15w, posso misturar os dois óleos para chegar no 15w?
    OBS: os dois óleos são para suspensão e são do mesmo fabricante, marca motul fork oli expert 20w e 5w, se tiver uma formula de calculo para achar a porcentagem da quantia da mistura dos óleos me passe se puder, fico no aguardo, desde já obrigado

    ResponderExcluir
  4. bom dia, tire uma duvida:
    eu tenho dois óleos de viscosidade diferentes, e são usados para a mesma coisa "suspensão", um é o 20w e o outro 5w, nesse caso eu preciso do 15w, posso misturar os dois óleos para chegar no 15w?
    OBS: os dois óleos são para suspensão e são do mesmo fabricante, marca motul fork oli expert 20w e 5w, se tiver uma formula de calculo para achar a porcentagem da quantia da mistura dos óleos me passe se puder, fico no aguardo, desde já obrigado

    ResponderExcluir